quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

O Domínio da Mãe

Depois de um ano particularmente puxado, não tem nada como merecidas férias. E, depois de já ter enjoado de não fazer nada em casa, nada melhor do que ir fazer nada com os amigos na praia, e foi o que eu fiz, porque tive um ano particularmente puxado e porque já estava enjoado de não fazer nada sozinho em casa.

A praia que eu fui não é bem praia, no sentido mais limitado do termo, isto é, litoral, mar, água salgada, maresia, essas coisas. Fui pra Arambaré, que é praia de água doce e, segundo o seu próprio (e por isso mesmo muito suspeito) jornal turístico, “a melhor praia da Lagoa dos Patos”. Segue um trecho do que escrevi no meu diário/registro/bloco de notas enquanto estive lá, sobre lá:

“[falo extensamente sobre o fato de que escrevo muito mais no diário quando estou lá] [...] Existem outras propriedades interessantes nesse pedacinho de céu. Umas delas é a atemporalidade: facilmente perde-se nos dias do mês e nos da semana, 3 dias parecem todo o tempo do mundo, 2 semanas parecem passar num piscar de olhos; no fim, é tudo um emaranhado estranho de boas e alegres lembranças. [...]”

“Outra propriedade é a do espaço. Não se tem noção de onde de fato se está. [...] Talvez a preguiça e o cansaço ajudem nessa sensação de fluidez, de harmonia com o universo, de estar no todo ao mesmo tempo do não-estar absoluto.”

“As duas facetas retiram de Arambaré a dimensão temporal e as 3 de espaço, tornando-a uma cidade-ponto que é-sempre-foi.”

O resto descia para um nível absurdamente filosófico, físico e de certo modo cheirado, portanto não convém para ninguém mostrar aqui.

Lá ficamos eu e mais três pessoas, com quem passei momentos maravilhosos e únicos. Foi uma experiência interessante, pois estávamos, na prática, sozinhos. Portanto boa parte do que comíamos era preparado por ninguém menos que nós mesmos. (Às vezes a vó da minha prima fazia o almoço, mas as demais refeições eram por nossa conta). Deve existir alguma coisa, sobre a qual falarei algum dia desses (quando o “algum dia desses” chegar, terei tanta coisa para escrever que não sei se vou conseguir fazer qualquer outra coisa), que faz com que quando produzimos para nós mesmos o prazer de consumir seja consideravelmente mais interessante; mesmo lavar a louça, nesse sentido, torna-se uma atividade boa, saudável. Sentir-se inútil passa a ser insalubre, e chega a dar a sensação de claustrofobia por estar preso a você mesmo (poético, né?).

Creio fortemente que o futuro mais aceitável é aquele em que as pessoas fazem suas próprias coisas, plantam sua própria comida e se expressam em uma ou mais formas de arte. É um futuro em que a simples lembrança de já ter se comprado compulsivamente, só para comprar, por causa desse superconsumismo irracional, gera em todos a repulsa que merece. Espero ver isso acontecer.

Voltando ao presente, eu estava falando sobre as atividades da praia. Elas não se limitavam à diversão, portanto, também incluíam o trato doméstico (lavar as cuecas durante o banho! Quem diria!) e o financeiro (reuniões de cúpula entre nós quatro eram freqüentes, para decidir quanto de queijo, pão, essas coisas, comprar, e para decidir quando podíamos nos dar o luxo de beber Pepsi, ou comer Trakinas).
Foi muito legal, voltei de alma lavada. De certa forma, desinfetada também, com álcool, mas isso já é outra história.

Já em casa, fui fazer uma presença pra minha mãe e quis ajudar ela a fazer pastéis. Ela sempre reclamava que eu passava todo o tempo que estava em casa lendo ou no computador, nunca ajudando ela na cozinha, então resolvi ajudar, ainda mais agora que estava com toda a prática de cozinha fresquinha na mente, tendo participado da manufatura de dois rodízios de pastéis na praia. Me pus a fazer os de queijo com orégano, enquanto ela fazia a carne. Ela achou estranho, mas continuou na carne. Foi quando sugeri que ela botasse só cebola, como tínhamos feito na praia, e não botasse os outros temperos que costumava botar.

{Parênteses 1 de 2: imagina eu sugerindo uma mudança na forma de preparar comida! É o sinal dos tempos. Sempre fui familiarizado com leis físicas, leis da natureza, leis da matemática... mas sempre fui um zero à esquerda no que tange à como limpar, como varrer, como cozinhar, a ponto de muitas vezes não saber se o que eu gostava era de nata, margarina ou maionese no pão. Se alguém me perguntasse se gostava de tal ou tal tempero, aí sim, suava frio, começava a tremer as mãos e os pés, olhava com olhos suplicantes para alguém ao redor para que viesse em meu socorro, mas no geral quem perguntava logo notava minha angústia e fazia de conta que eu tinha respondido algo mais inteligente do que um “tanto faz”, ou o famoso e mentiroso “eu como de tudo, não importa”. Portanto, o evento de eu sugerir para minha mãe que não pusesse pimentão nem tomate, mas somente cebola e um pouquinho de sal, e mais do que isso, fazer essa sugestão de forma plenamente consciente, de mente limpa e certo do resultado que tal manobra resultaria, era digno, na minha opinião, de abrir um champanhe e sair pra comemorar.}

{Parênteses 2 de 2: ao contrário do que pensam as mulheres, nós homens somos sim sensíveis, no sentido de que sentimos o que acontece ao nosso redor. Digo isso dos homens que sejam parecidos comigo, pelo menos, mas não duvido muito que seja bem geral essa característica. O que muda das mulheres para nós, é que na imensa maioria das vezes nós não nos importamos. Se você, leitora mulher, alguma vez respondeu “não sei, tanto faz” para uma pergunta de um homem, quando na verdade sabia exatamente o que queria mas queria que ele adivinhasse o que você queria para te “surpreender” com tamanha clarividência, e em seguida se viu verdadeiramente surpreendida porque “aquele insensível” não fez o que você imaginava que ele fizesse levando em conta o que você queria, não seja injusta ao dizer que ele não sabia qual era a sua preferência. Ele sabia. Mas como você não expressou isso claramente, provavelmente ele achou que foi imaginação dele ou pensou que se você não disse claramente é porque claramente não queria aquilo de verdade, ficando desse modo a cargo do homem decidir sozinho, levando em conta somente o que ele achasse melhor. Um homem que faz sempre o que a mulher quer não é sensível; é um grande idiota.
Mas disse isso porque quando sugeri a mudança de tempero para minha mãe, logo vi que não estava agradando. O tempo fechou ao redor dela, sumiram o sol e o arco-íris, os passarinhos pararam de cantar e uma aura de insatisfação começou a girar na cozinha. Fiz de conta que não notei, e continuei nos meus pastéis de queijo com orégano.}

Depois disso, a atmosfera da cozinha ficou um pouco mais pesada. Uma tensão claramente crescia no ar. Sentia como se a qualquer momento se rompesse a rigidez dielétrica do ar e se visse fagulhas saindo da minha mãe. Eu estava no domínio dela, não importa se estava ajudando. Não importa se estávamos em um programa legal de mãe e filho. Não importa se foram incontáveis as vezes em que ela quis que eu fizesse exatamente isso que estava fazendo. Ultrapassei os limites na hierarquia da caverna pré-histórica, no lugar onde a Mulher sempre reinou, mesmo antes de queimar seu Sutiã: a Cozinha.

Anos de vida em sociedade impediram minha mãe de me expulsar a vassouradas. Tudo isso eu captava com a antena da minha sensibilidade. Foi quando a antena do meu celular captou uma mensagem SMS dizendo que eu era aguardado no MSN para marcar uma festa. Minha mãe mais do que prontamente disse “Pode ir, eu cuido do resto aqui”. Com a minha antena captei também que existia duas páginas de senãos escondidos nessa permissão, e foi aí que decidi acatar o que captei, e fui pro quarto. Já tinha terminado os pastéis de queijo.

Mais tarde, metade dos pastéis de carne tinham temperos a mais, mas os meus só tinham cebola. Acho que isso foi uma forma de dizer que tudo bem dessa vez, entendia, até tinha gostado, mas que não se repetisse nunca mais.

Eu que fique com a louça.

3 comentários:

GrazieWecker disse...

é, coisas de mãe... sugestões são ameaças.

mas por favor né marcus: "Sentia como se a qualquer momento se rompesse a rigidez dielétrica do ar e se visse fagulhas saindo da minha mãe." uhasuhasuahsuahs eu nem lembrava mais dessa expressão, bonitinha, "rigidez dielétrica"... putzgrila suhasuhaus

C'n destours disse...

Dia desses tu me explica tintin por tintin sobre o significado e a descoberta da tal rigidez dielétrica, ok? (me bateu uma sincera curiosidade sobre)
Mas minha análise e comentários sobre o texto como um todo mandarei em breve por e-mail :)

Bibiana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.