sexta-feira, 23 de julho de 2010

Férias de Inverno

Não são muitos os que ainda vêm aqui, e eu mesmo sou um blogueiro insensível que não tem passeado pelos blogs amigos nem para dar um oi (até o ponto em que é possível “vir” até um site, “passear” por blogs ou “dar um oi” pela internet; mais estranho que escrever isso é saber que não geraria estranheza nenhuma se eu não comentasse), mas, para os alegres leitores que ainda estão aí, ou para os que acabaram de chegar, meu muito obrigado por estarem onde estão. É muito bom saber que tem alguém que lê o que eu escrevo, mesmo que seja raramente que ambas coisas aconteçam (eu escrever e alguém ler o que eu escrevo).

***

Uma teoria científica é diferente da ideia que geralmente se tem de “teoria”, algo hipotético e frágil. Uma teoria científica é uma explicação de alguma coisa, que consegue dizer corretamente como essa alguma coisa vai se comportar se você fizer ela ser estimulada de determinado jeito. Uma teoria científica é sempre inocente até que se prove o contrário, ou seja, enquanto não aparecer uma teoria melhor, é a antiga que prevalece; como, pela lógica, novas teorias são sempre mais próximas da Verdade do que as teorias antigas, o que acontece é que se uma teoria, hoje, é tida como correta, ela provavelmente está correta mesmo, a menos que apareça algum gênio com uma ideia melhor.

Por exemplo. Até o início do século passado ninguém pensava se o tempo passava rápido demais ou lento demais; todo mundo tinha o mesmo tempo, sem choro. Mas então veio Einstein com a Relatividade e tocou todo o conceito de tempo imutável no lixo, pisou em cima da lixeira, tocou fogo no que restou e espalhou as cinzas em uma sala escura, onde entrava um filete de luz pela janela, e deu uma aula sobre o movimento browniano das partículas de poeira por lá.

Aí as coisas fizeram sentido. Afinal, não era possível que, com um tempo imutável, o tempo parecesse tão curto de manhã quando você está atrasado pra sair ou tão longo quando você está louco para voltar para casa. Ou porque o caminho fica três vezes mais longo quando você está cansado, apesar de ter de fazer o mesmo caminho todos os dias.

Mas como isso é só uma teoria (das boas, mas ainda assim com as imperfeições inerentes às criações humanas), já estão querendo desbancá-la. Atualmente o submundo dos cientistas está fervendo atrás de uma Teoria de Tudo, algo assim que explicaria desde por quê o universo se expandiu assim e não assado até por quê a graça da programação de TV de domingo tende à zero. Uma das teorias que surgiram, julgo eu, em uma reunião de físicos teóricos, em que deve ter rolado muita marijuana e etcéteras (muitas etcéteras), é uma que simplesmente gospe no tempo.

Na verdade, segundo essa teoria, o tempo não existe, é apenas uma relação entre as coisas. Tipo o dinheiro, que não tem valor algum em si, mas serve para comparar coisas que tenham valor; só faz sentido dizer que um par de tênis custa R$100 porque a gente sabe quanto custam outras coisas. E essa é uma explicação de um leigo que leu uma explicação um pouco menos ruim em uma revista que fez um apanhado geral sobre o assunto, ou seja, a quantidade de verdade que você está lendo nesse parágrafo é inversamente proporcional ao que seria exigido em um texto sério. Portanto, se quiser algo mais confiável, leia a Scientific American (desse mês, eu acho).

Agora eu consigo pelo menos justificar para mim mesmo por que os trabalhos que meus queridos professores me deram para fazer nas férias ainda não estão feitos. Eles, aparentemente, não estão sabendo das reviravoltas científicas e acham que eu sou totalmente capaz de dilatar o tempo e assim fazer tudo dentro do prazo; mas, como agora já sei, eu nunca tive tempo de fazer trabalho algum, por que o Tempo não existe!

Ai, essa Física Moderna ainda me mata.

Vou ir dormir umas 10 horas, que, mesmo que não existam, serão bem agradáveis.

Abraço!

5 comentários:

Antônio disse...

Sabe, agora eu entendo o que uma pessoa quer dizer quando ela chega para mim e diz: "tu deveria escrever mais".
Nunca sabemos o real valor do que produzimos, talvez pela relatividade citada no texto, que acaba atingindo a relação de causa e efeito dos nossos atos, mas principalmente pelo fato de que, quando agimos em prol do alheio, não há como experimentar a sensação idêntica a de quem saboreia algo que veio de nós (a menos que tu seja um daqueles lunáticos que bebe urina ou lambe o sangue quando corta um dedo).

Enfim, exista o tempo ou não, seria ótimo se (eu e) tu escrevesse mais, porque tu é brilhante. Meu guri! =D

Abração!

chris mazzola disse...

Amigo Marcus, estive mega sumido, entao hoje "tive" que ler 5 posts seus.
Nao farei comentarios em cada, mas queria elogiar mais uma vez seus textos. Gosto demais de seu estilo e me divirto bastante.
* A ideia da roda/rolon matou a pau. Parabens! (eu que penso no que todo mundo NAO pensa, nao tinha pensado nisso!! - ainda) rs
* A idade "simbolica" dos 18 anos exige maior argumentacao. A maioridade criminal, foi baseada em diversas culturas e povos. Nossa constituicao com referencia aos codigos penais e civis por incrivel que pareca (desatualizados) estao de certa maneira corretos em deixar a idade minima sendo 18. Embora a maioridade civil esteja com 21.
Amigo, hoje tenho 32. E juro por td q eh mais sagrado que quando tinha 15 eu achava estupidez certas autoridades dizer que um dia a mais faz diferenca. Quem tem 17 e meio, praticamente ja tem 18. (ate pq nao tem ano zero, logo vc nao tem 17, vc tem mais! qse 18)... mas ai ja eh outra historia... Mas voltando, eu cheguei a VOTAR para governador num cara que ODEIO simplesmente pq num debate ele comentou q daria carta aos condutores de 18.
Infelizmente amigo, o mundo da voltas e nem eu sei pq, mas a gente aprende do jeito mais dificil. Acho que a maturidade em dirigir, votar, festas, alcool... chega na "marra". Qdo seus pais adoecem, seus avos falecem.. vc muda. E acho q eh isso q "eles" querem dizer com o simbolico 18. ACHO que eh uma idade q muitos ja passaram HA tempos, mas muitos ainda estao para ultrapassar e se preparar para sofrer e crescer. Parece incrivel, mas hoje eu concordo... e se salvarmos esse historico, daqui a dez anos, queria muito que vc respondesse se mudou ou nao sua opiniao. O mundo muda muito. Podemos inclusive daqui a 10 anos saber q a maioridade sera com 12! vai entender....

chris mazzola disse...

(PARTE II) !
Meu Deus, acho q travei a bagaça! Vou mudar de campo para nao ferrar mais!

Bom, outro assunto eh sobre a solidao. De vc sentir-se sozinho.
Cara, eu sempre tive problemas SERIOS para arrumar as ficantes. Eu nao saia de casa, devido a N problemas e por isso nem tinha oportunidade de conhecer pessoas na balada.
SEMPRE ACREDITEI que em bilhoes de mulheres, UMA - A MINHA, logo aparecera. E eis que um dia, na faculdade eu encontrei.
Hoje, apos namorar 12 ANOS, casei ha UM. E te digo de minha experiencia.
NAO EH NADA DISSO! rs
Vc meu amigo, pode escolher QUALQUER uma. A mais simpatica, a mais bonita, a mais legal, a mais estudiosa... as vezes beleza nao importa! o q quero dizer eh q se vc estiver disposto a querer ela pra vc, basta VC querer batalhar e TER ela. Um dia conto como foi dificil e o q passei para " ter" a minha.
Mas acredite, qdo vc menos esperar. vai notar do nada. Vc vai querer dar risadas do nada. Ligar sem ter o q falar e fazer de tudo para ela nao desligar.. Ai meu caro, vc ja ta flechado.
Viva intensamente ate a hora que vc nao aguentara mais e TERA q dizer q precisa MAIS do que soh estar ao lado.
ou pior! vc TERA q se afastar pq essa sua amiga te confidencia que gosta de ciclano.. e isso comeca a te fazer mal. E nessa hora vc descobre. Entre bilhoes passando, a felizarda esta mais proxima que vc imagina.
Um gde abraco e muito juizo!

Rívia Petermann disse...

Olá

Gosto da Scientific American.e mesmo sem retoeno aos blogs,continuarei "lendo aqui",pois é mesmo ótimo,me dá ainda mais o que pensar.Honestamente,essa física moderna também me mata.Posso criar uma teoria qualquer sobre algo tosco e insensato e ser considerado gênio...E essa do tempo não existir,fruto de algum...ah,sei lá.De qualquer modo,o fato de não existir de fato o tempo contesta toda a história sensata ou não preservada até agora pelo ser humano...Mas de novo,sei lá,afinal,como diz pitágoras,se o que vc tem a dizer ñ é mais belo que o silêncio,cale-se...E já que ñ entendo tanto assim do assunto...

Ótimo post...Espero que eu não tenha devaneado demais...

Beijos

Íris Lisbôa disse...

Não, não li! Mas eu te conheço e confio em ti e sei que qualquer coisa, absolutamente qualquer coisa que tu escrever vai ser sempre incrível! [/Íris
Vim aqui pra agradecer por você ter visitado o nosso blog novo e por estar seguindo ele (:
se puder, divulgue ;]
Beijos :*
Vou casar contigo! HSIUAHUSHAUSH [/sim, só agora absorvi o que tu falou, seu malvado, ao invés de me ajudar em um momento triste :x]
Te amo mesmo assim! Amigo querido (L)